MITOS ARCAICOS E DRAMAS CONTEMPORÂNEOS


24 de setembro de 2016 – 14h às 17h

Centro de Convenções do Ed. Flex Center
Largo do Machado, 54 – Catete – Rio de Janeiro

 

 

Quatro astrólogos exploram o simbolismo astrológico presente nos mitos gregos, mesopotâmicos e astecas e em algumas importantes questões contemporâneas.

PROGRAMAÇÃO

ABERTURA – 14h (05 minutos)

O mito de Medusa, o confronto Sol-Lua e a barbárie do estupro coletivo – com Fernando Fernandse – 14h05 (30 minutos)

Poucas figuras míticas foram tão demonizadas quanto Medusa, uma das três Górgonas, que tinha o poder de transformar em pedra aquele que a encarasse nos olhos. O mesmo mecanismo que transformou Perseu num herói continua atuante nos dias de hoje, para justificar o estupro coletivo e o feminicídio.

O mito de Narciso, as selfies fatais e a relação Netuno-Saturno – com Claudia Rabelo – 14h35 (30 minutos)

A prática da selfie – uma atualização contemporânea do comportamento de Narciso – tornou-se epidêmica após a definitiva entrada de Netuno em Peixes, em 2012. Até 2014 registraram-se 49 mortes relacionadas a selfies em locais de risco. A maioria dos mortos tinha exatamente 21 anos, quando ocorre a segunda quadratura de Saturno e os jovens se sentem testados e desafiados no mundo adulto.

INTERVALO – 15h05 (20 minutos)

A serpente emplumada e o novo ciclo das mulheres guerreiras – com José Maria Gomes Neto – 15h25 (30 minutos)

O ciclo de retrogradação de Vênus tem relação com o Mito Azteca de Quetzalcoatl, a Serpente Emplumada. No próximo ciclo, Vênus assume a forma do guerreiro no signo de Áries, sinalizando a descida de uma poderosa energia “yang” travestida de feminina. Quem poderia ser?

Os mitos de Astreia e Lilith, o simbolismo de Virgem e o novo feminismo – com Claudia Lisboa – 15h55 (30 minutos)

Astreia, filha de Zeus e Têmis, é uma das personificações gregas da Justiça e seu mito remete à origem das constelações de Virgem e Libra. Já Lilith, divindade mesopotâmica, frequentemente é associada à serpente do Jardim do Éden. O que ambas têm a ver com as novas facetas de expressão do feminismo?

DEBATE – 16h25 (20 minutos)

Os dramas coletivos recorrentes sempre estão refletidos num relato mítico? Vivemos uma eterna repetição?
Apresentação e moderação: Maria Aparecida Bezerra

ENCERRAMENTO – 17h

 

INSCREVA-SE JÁ

Investimento: Associados R$ 20,00. Demais R$ 65,00.

Inscrições: Secretaria do SINARJ no telefone (21) 2213-0972 das 13:00 às 17:30h ou pelo email sinarj@sinarj.com.br

 

Confira as fotos do evento: