SINASTRIA, A CHAVE MESTRA por Cecilia Ortiz


Sin em latim significa conjunção, Astrum significa astros ou estrelas,  daí Sinastria é a técnica que estuda a combinação dos astros.

A Sinastria, mais do que um tipo de astrologia como é a interpretação do mapa natal,  a astrologia horária ou a mundial, é uma técnica utilizada em toda a prática astrológica. Um mapa por si só nos fala especificamente de um determinado evento, de seus potenciais e desafios e, quando desejamos obter maior informação, precisamos  comparar esse determinado mapa com uma série de outros mapas para termos mais clareza.

E é aí que a técnica de Sinastria entra em cena, entendendo-se como “técnica” um procedimento ou conjunto de regras, normas e protocolos que têm como objetivo alcançar um determinado resultado.

 

1- Relacionamentos, porque são tão importantes em nossa sociedade?

Aprendemos que somos seres humanos individuais, originais e únicos, que somos criação de Deus, e por que então nos sentimos tão solitários? Simplesmente porque somos seres incompletos, não temos todas as habilidades e aspectos integrados.

Na modernidade, vivemos em um tipo de sociedade que nos faz exigências muito mais complexas do que as sociedades antigas, mais simples e naturais.  Para nossa  sobrevivência, precisamos nos associar em pares ou grupos.  A busca de complementação se torna fundamental,  tanto  para o crescimento pessoal  quanto para a vida diária. e isso se consegue através da convivência, cooperação, comunicação ou intercâmbio cotidiano.

Quando conhecemos alguém que nos chama a atenção, logo pensamos : “Será que somos compatíveis?”

Ou ainda, quando já estamos num relacionamento, ficamos inquietos querendo buscar maneiras de melhorar a qualidade deste.

O primeiro passo é compreender o que atrai ou une duas pessoas, seja numa relação de amor, negócios, trabalho, amizade, incluindo familiares.

Em seguida, precisamos reconhecer que todas essas relações têm um propósito específico em nossas vidas, independente do fato de serem harmônicas ou conflituosas. É importante reconhecer qual é esse propósito, de maneira  que possamos aprender com a experiência para valorizar e melhorar a relação.

 

2 – O mapa natal mostra nossa capacidade de relacionamento

Todos chegamos ao mundo com nossa caixa de ferramentas: missão, habilidades, defeitos, aprendizados, etc. O mapa natal também nos mostra que tipo de personalidade e características precisamos integrar e com que tipo de pessoa nos relacionamos mais facilmente.

Ao fazer uma análise percebemos que tipo de pessoa preenche a outra de maneira mais completa e que capacidades e necessidades essas pessoas  têm para se unirem de maneira produtiva.

Existem fatores fundamentais para se observar, como por exemplo:

  • Dominância e carência de Elementos
  • Dominância e carência de Modalidade
  • Signo na cúspide da Casa VII
  • Sol, Lua, Marte e Vênus por signo, casa e aspectos

No entanto, o mais importante, é perguntarmos:

O que buscamos em cada relação que estabelecemos? Para que nos relacionamos com essa pessoa especificamente? E o que oferecemos de maneira espontânea?

Na realidade, nos damos conta de que não existem relações perfeitas. A relação pessoal  ideal poderia ser aquela que nos complementa da melhor maneira, equilibrando harmonia e tensão, satisfazendo nossas necessidades de afeto e segurança e  compartilhando interesses e valores. Quando é uma relação de negócios ou  trabalho, o foco é na capacidade de cooperação e confiabilidade das partes, de que maneira se comunicam e se suas atuações impactam seu desenvolvimento profissional.  Já no caso de uma relação mestre/aluno, vamos observar a comunicação, a autoridade e a influência que exercem um sobre o outro.

 

3 – Que tipo de parceiro me complementa e onde encontrá-lo?

A análise da Casa 7 do mapa natal nos indica as características das parcerias ou pessoas com quem o nativo tende a se relacionar.

Os planetas localizados na Casa 7 são indicadores de temas ou  pessoas com quem nos defrontaremos no transcurso de nossas  vidas. Compreender a natureza da lição que os planetas indicam, nos abre a consciência, modificando nossa atuação e expectativa.

Não é comum utilizar a técnica de Sinastria para escolher um parceiro, mas ela nos permite avaliar a dinâmica da relação, e que situações, atitudes ou reações disparam a tensão ou a harmonia. Isto nos permite então ajustar nosso comportamento para potencializar ou diminuir o efeito, de acordo com aquilo que queremos alcançar.

Lua e Vênus têm um papel muito importante na questão da atração, sobretudo para os homens. No caso das mulheres, é importante observar a posição do Sol e Marte, na medida em que são indicadores dos princípios masculinos,  que serão alcançados na associação com um homem.

O asteroide Ceres e o planeta Saturno também são levados em conta para avaliar a capacidade que temos para nos comprometer.

 

4 – O que conecta as pessoas?

Planetas fundamentais para se interpretar quando se faz uma Sinastria:

  • Regente do Ascendente
  • Sol
  • Lua
  • Mercúrio
  • Vênus
  • Marte
  • Júpiter
  • Saturno
  • Nodos

Qual a tolerância da pessoa ao conflito?
Qual a necessidade pessoal de harmonia?
Que interesses têm em comum?
Existe atração, carinho e empatia?

Os interaspectos encontrados representam os contatos que os planetas de  uma pessoa fazem com os da outra. À medida que a relação avança, esses aspectos podem ser percebidos como uma invasão, agressão ou acolhimento ao nosso espaço pessoal.

É muito melhor que os planetas façam aspectos entre si, mesmo que sejam de tensão, do que não o façam, já que, nesse caso, o potencial para desenvolver a relação se vê diminuído.

A compatibilidade é como um diamante bruto, tem que se trabalhar para poli-lo e fazê-lo brilhar. Cada faceta representa uma área da vida onde as pessoas se encontram. A Astrologia ajuda a descobrir e compreender a relação a partir de todos os ângulos possíveis, para o benefício e o crescimento das pessoas envolvidas.

Todas as relações precisam de um desafio e de uma zona de conforto. O importante é conhecer os interaspectos envolvidos, o que provocam em cada um a partir de sua posição e a área de vida onde a ação ocorre.

 

5 – Coincidir

O significado da palavra coincidir é: “a ocorrência de dois eventos ou pessoas num mesmo lugar e momento”. Para fazer uma Sinastria, tem que se desenvolver a habilidade de observar e conectar, tem que se encontrar o significado.

Na realidade, qual é a primeira coisa que fazemos quando queremos saber o que une duas pessoas? Começaremos comparando ambos os mapas natais, buscando os contatos entre os astros; através dos aspectos maiores, das declinações ou aspectos por antiscios. A Sinastria é a técnica de relacionar dois ou mais mapas, buscando os aspectos que fazem entre si, chamados interaspectos.

A ferramenta mais adequada para refletir essa informação é a grade de interaspectos ou a superposição dos mapas.

A grade nos ajuda a localizar facilmente que planetas fazem contato e que tipo de aspectos predominam, dando um colorido geral à relação:

  • Conjunções: haverá muita integração entre as duas pessoas (observar o tipo de planetas envolvidos e os aspectos que recebem);
  • Trígonos: encontraremos amizade e afinidade de interesses, adaptação e comodidade;
  • Oposições: haverá atração, magnetismo e tentativa de domínio
  • Quadraturas: haverá desacordos, desencontros e aborrecimentos;
  • Sextis: indicam cooperação e amizade entre os indivíduos
  • Quincúncios: representam separações, sabotagens inconscientes, ansiedade e desinteresse.

As coincidências dos astros ocorrem pelos aspectos dos planetas e sua colocação nas casas. As comparações de mapas nos levam a localizar rapidamente as conjunções entre planetas, ângulos e indicam a ênfase por casas.

 

6 – Mapas Compostos, o passo seguinte:

A soma de duas pessoas produz um terceiro componente:

A RELAÇÃO:

Um mapa composto é a integração de duas personalidades, permitindo analisar e compreender a natureza e o tipo de relação que se estabelece, com seu propósito particular. Mostra o resultado da soma energética dos planetas envolvidos na associação. Quer dizer, representa o tipo de interação gerada pela combinação dessas energias.

O aspecto específico indica com quanta tensão uma Relação pode lidar e a sua capacidade de funcionar na vida.

6.1 – Mapa Composto de Pontos Médios

É uma síntese do propósito e da dinâmica geral da relação. Foi inventado por John Townley nos anos 70.

Representa:

  • Os pontos médios de cada par de planetas;
  • Os pontos médios dos ângulos;
  • Os pontos médios das cúspides das casas;
  • Só se utiliza trânsitos;
  • Mostra o Propósito da relação e sua motivação principal.

 

Astróloga Cecilia Ortiz Bullé Goyri
casadelastrologo@hotmail.com

Facebook/La Casa del Astrólogo

 

Este artigo foi traduzido do espanhol para português pelas colaboradoras Gleide Furtado e Maria Virginia Fernandes.
Artigo original em espanhol pode ser lido em http://cmig-astro.org/sinastrias-la-llave-maestra/

 

“As opiniões expressas neste artigo espelham o pensamento do autor, e não representam necessariamente a posição do SINARJ. Como órgão de classe, o SINARJ adota uma posição de neutralidade, valorizando a diversidade e respeitando a liberdade de pensamento de seus colaboradores, exceto em casos de manifestações de intolerância racial, política, ideológica, religiosa ou de gênero.”

 

Por Cecilia Ortiz